Postagens

Mostrando postagens com o rótulo ocupação

Secretaria de Habitação conversa com invasores

Imagem
Os sem-teto ocuparam galpão sob o Viaduto Engenheiro Orlando Murgel, na Barra Funda A Supervisão de Habitação da Subprefeitura Sé deverá mediar encontro hoje (25/7) entre a Secretaria Municipal de Habitação e o grupo de sem-teto que invadiu há cerca de 20 dias parte  do  galpão sob o Viaduto Engenheiro Orlando Murgel, onde  funcionava  a  empresa  Monte  Azul,  que  prestava  serviços  à prefeitura  em  função  da  Usina  de  Asfalto  da  Barra  Funda,  recentemente  fechada. A nota enviada ao Barra News , acompanhada de fotos, informa sobre o encontro de hoje, lembrando que na  última  segunda-feira  (22/7),  uma  equipe  da  Subprefeitura  esteve  no  local  citado  pela  reportagem postada ontem, conseguindo, após diálogo, que os invasores saíssem do local. Ainda segundo a nota, a equipe da Subprefeitura Sé realizou a limpeza do local, mas os sem-teto voltaram a invadir o galpão. ”Portanto,  as  tratativas  ainda  estão  acontecendo  para  que  possamos  resolver  da  melho

Galpão sob viaduto é ocupado. Vizinhança cobra providências

Imagem
Ocupação ocorreu em espaço da prefeitura debaixo do Viaduto Engenheiro Orlando Murgel Há cerca de 20 dias parte do galpão onde funcionava a empresa Monte Azul, que prestava serviços à prefeitura em função da Usina de Asfalto da Barra Funda, recentemente fechada, foi ocupada por mais de 50 pessoas sem-teto, metade das quais crianças, algumas vindas da favela do Moinho , outras de ocupações próximas ou das ruas. A parte ocupada tem entrada por um portão da Avenida Rudge 200 e fica sob o Viaduto Engenheiro Orlando Murgel, situado entre os bairros de Barra Funda e Bom Retiro, ligando a Avenida Rudge à Avenida Rio Branco, sobre os trilhos da CPTM, no corredor norte-sul da cidade. Em abaixo-assinado feito por meio do site Avaaz.org, moradores do entorno reivindicam a intervenção da prefeitura, afirmando que foram abertos chamados em órgãos competentes, mas que não tiveram retorno até o momento. Alegando que o local é impróprio para moradia, o texto do abaixo-assinado manifesta