HIS na antiga Usina de Asfalto trará mais empregos à região, prevê secretário de Habitação


Entrevistado por Barra News, o secretário estadual de Habitação de São Paulo, Flavio Amary, destacou que a construção 417 unidades de moradias tipo HIS (habitação de interesse social) e um conjunto comercial no terreno outrora ocupado pela Usina de Asfalto da prefeitura, na Barra Funda, trará à região mais desenvolvimento e mais empregos, além de atender às necessidades da população de baixa renda na obtenção da casa própria.

Segundo Amary, a área da antiga Usina de Asfalto disponibilizada pela prefeitura paulistana ao Estado foi a mais recente incorporação ao projeto de Parceria Público-Privada (PPP), mantido pela secretaria estadual de Habitação nas áreas centrais da cidade de São Paulo, que está por trás da implantação de mais de 4 mil unidades HIS e de mercado popular, boa parte delas já entregue.

Assista aqui a entrevista com o secretário estadual de Habitação, Flavio Amary


Primeira PPP voltada à Habitação no país, o programa   prevê a construção de 3.683 moradias no centro de São Paulo, com 2.260 habitações de interesse social, voltadas para famílias com renda de um a cinco salários-mínimos, que trabalham na região central da capital paulista e têm o financiamento subsidiado pelo governo do Estado.

Outras 1.423 habitações de mercado popular serão direcionadas a famílias que recebem entre seis e dez pisos salariais, sem financiamento subsidiado.

Informando que as famílias que ocuparão o novo conjunto de HIS na Barra Funda já foram devidamente selecionadas, o secretário de Habitação do governo paulista lembrou que o projeto tem como principal objetivo, “melhorar a mobilidade urbana das pessoas de mais baixa renda”.

“Ou seja, a prioridade do programa são as pessoas que trabalham nas regiões centrais, para que não tenham que fazer grandes deslocamentos entre a residência e o emprego”, assinala Amary, destacando que as moradias no terreno da Usina de Asfalto vão trazer para a região “mais desenvolvimento, mais geração de emprego e atendimento habitacional para população de baixa renda”.

Na entrevista, o secretário também falou sobre o déficit habitacional, estimado atualmente em 1 milhão de domicílios no Estado de São Paulo.

Flávio explicou que as PPPs voltadas à área habitacional envolvem recursos do Tesouro do Estado e das empresas parceiras, que arcam com todo o investimento, resgatando o que foi desembolsado ao longo de 20 anos por meio das contraprestações.

Existem ainda, de acordo com o secretário, as chamadas receitas acessórias, pois os empreendimentos, como é o caso do que está sendo levado a efeito no antigo terreno da Usina de Asfalto, podem ter áreas comerciais, gerando receitas com aluguéis ou vendas desses espaços.

O secretário falou ainda sobre outras ações da Secretaria da Habitação no sentido de atender a população de baixa renda, como os programas Viver Melhor, que envolve legalização fundiária e reformas de moradias, e Vida Digna, desenvolvido na Baixada Santista, que, com recursos em torno de R$ 600 milhões, atende, entre outras populações em situação de risco, os moradores de palafitas.

Além de ser o titular da pasta da Habitação no Estado de São Paulo, Flavio Amary preside o Fórum Nacional de Secretários da Habitação e Desenvolvimento Urbano, o Conselho Estadual de Habitação e o Fundo Paulista de Habitação de Interesse Social.

Graduado em Administração de Empresas e pós-graduado em economia pela Fundação Getúlio Vargas, entre outros títulos, iniciou sua vida profissional no mercado imobiliário aos 22 anos de idade, tendo sido dirigente de destacadas entidades do setor, como o Secovi-SP, sindicato patronal voltado ao segmento habitacional, que presidiu por dois mandatos, antes de assumir o cargo de secretário estadual de Habitação.

Até 2019, Flavio era sócio-diretor da Renato Amary Empreendimentos, empresa imobiliária fundada há mais de 30 anos por seu pai, Renato Amary, em Sorocaba (SP).

Terreno que abrigou a Usina de Asfalto já foi devidamente limpo e descontaminado

Durante anos, Usina de Asfalto foi o tormento dos moradores do entorno, por conta da poluição do ar e do barulho


Comentários

+VISITADOS

Assim ficará conjunto de habitação popular no terreno da antiga Usina de Asfalto

Terreno da Usina de Asfalto dá lugar a 417 unidades de habitação popular

Mais uma rua da Barra Funda implanta Vizinhança Solidária